Pizza, a tábua redonda da salvação

Poucas invenções do ser humano mostraram-se tão versáteis e eficazes quanto a pizza. Antes dela, talvez, apenas a roda, que de certo modo é sua antepassada e modelo espiritual. Mas a pizza, embora não tenha sido elemento chave nos avanços tecnológicos da humanidade nos últimos 30 mil anos, certamente desempenha papel fundamental em muitos momentos de nossas vidas.

A pizza, seja por sua forma circular ou devido à circularidade abdominal presente em seus apreciadores mais contumazes, possui um forte apelo gregário. Reunir os amigos ao redor de uma pizza é um dos mais básicos ritos sociais da cultura contemporânea. Mais ou menos equivalente àquilo que o ato de arremessar cocô uns nos outros significa para alguns grupos de chipanzés.

Estudiosos da arte afirmam que, ao ser consultado a respeito da realização de uma de suas mais famosas obras, “A Santa Ceia”, Leonardo da Vinci teria sugerido a substituição do pão por uma vicejante redonda de peperoni e muzzarela. Os conservadores da época, porém, demoveram Leonardo desta sua arrojada idéia, classificando-a como herética. Naquele tempo, a liberdade intelectual ainda era mais condenável que a gordura trans.

Mas a pizza, por outro lado, também é um poderoso aconchego para os solitários e tristes, carentes e fóbicos sociais em geral. Qual a mulher que, em toda a sua vida, jamais tentou preencher o vazio de seu coração com algumas deliciosas fatias de calabreza com bordas recheadas? Ou você, nerd solitário, em suas longas madrugadas de World of Warcraft lambuzando os dedos no queijo derretido? A pizza, meus caros, é o mais prático e difundido dos anti-depressivos: acessível, não requer receita médica e ainda entregam em casa!

Ah, mas os repressores, os caretas, sempre eles! Levantam-se novamente contra nossa diva rotunda! Acusam-na de maléfica, perigosa e indigesta! De Leonardo até os nossos dias, permanecem querendo destruir a satisfação e a alegria inocente, ou o reconfortante calor estomacal, somente alcançável através de uma macia, fumegante e queijo-transbordante fatia de pizza! É preciso resistir, companheiros! Defendam a pizza, com unhas e dentes. Garfos e facas! E na falta de coisa melhor, serve até aquele guardanapinho de papel bem vagabundo, dos que se usam por aí nos botequins.

Eu de cá, continuarei fazendo a minha parte. Esta noite por exemplo, com muzzarela, bacon e champignon. Estão servidos?

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Artes (ou não), Textos

2 Respostas para “Pizza, a tábua redonda da salvação

  1. Aline Bonifácio

    Para casos de depressão ou carência emocional, recomendo uma boa barra de chocolate! É mais eficaz e vc ainda economiza alguns trocados!!! :)

  2. Pizza, pizza, pizza…. wonderful, lovely pizza!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s